58 - O papel do consumidor no mercado de produtos orgânicos

DAROLT, Moacir Roberto
Engenheiro Agrônomo, Doutor em Meio Ambiente, Pesquisador do Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR), Ponta Grossa, C.Postal 129, CEP 84001-970, Fone/Fax: (42) 229-2829. E-mail:
darolt@pr.gov.br

 

É cada vez maior o número de pessoas que estão buscando uma alimentação mais saudável, na tentativa de resgatar um tempo que ainda era possível ter à mesa alimentos frescos, de boa qualidade biológica e livre de agrotóxicos. Atualmente, os alimentos recebem tantos produtos tóxicos e passam por uma série de processos de transformação até chegar ao consumidor que acabam provocando uma mudança de hábitos alimentares e um distanciamento entre o agricultor e o consumidor.

Baseado na experiência dos consumidores da região metropolitana de Curitiba (RMC) e na literatura internacional, este artigo discute brevemente as motivações para o consumo de produtos orgânicos, as possibilidades de haver um envolvimento maior do consumidor na cadeia produtiva orgânica e, finalmente, mostra um retrato do perfil do consumidor orgânico da RMC.

AS MOTIVAÇÕES PARA O CONSUMO

As motivações para o consumo variam em função do país, da cultura e dos produtos que se analisa. Todavia, observando países como Alemanha, Inglaterra, Austrália, Estados Unidos, França e Dinamarca, percebe-se que existe uma tendência de o consumidor orgânico privilegiar, em primeiro lugar, aspectos relacionados à saúde e sua ligação com os alimentos, em seguida ao meio ambiente e, por último, à questão do sabor dos alimentos orgânicos.

No Brasil, parece existir uma tendência semelhante. Uma pesquisa indiretamente ligada a essa temática, que trata da questão ambiental mais geral, foi realizada pelo IBOPE. Este estudo mostra que o consumidor brasileiro está disposto a pagar mais caro por um produto que não polui o meio ambiente. Uma faixa de 68% do universo pesquisado fez essa afirmativa, enquanto outra de 24% se mostrou contrária à idéia. Essa tendência pode ser verificada mesmo na população com baixa renda familiar.

Em Curitiba, uma pesquisa realizada nas feiras orgânicas confirma que a principal razão para o consumo de produtos orgânicos é a questão da saúde. Os resultados mostram que o consumidor associa a produção orgânica com uma agricultura sem agrotóxico (42,9%) e com um processo natural de cultivo (33,3%).

Em relação à avaliação dos produtos orgânicos quanto à qualidade, quantidade, diversidade e regularidade, os resultados mostraram que os consumidores consideram como problema em primeiro lugar a falta de regularidade, depois a pouca diversidade e, em seguida, a pouca quantidade. No que diz respeito à qualidade, não é a só a aparência que é levada em consideração. A maioria dos consumidores considera "bom" os produtos orgânicos, fator que está relacionado ao valor biológico dos produtos, além do sabor e frescor dos alimentos orgânicos. Em relação à diversidade, muitos consumidores declaram que ainda é difícil manter uma dieta orgânica pela falta de produto, sobretudo frutas, cereais e produtos de origem animal. Além disso, é necessário um esforço complementar de deslocamento para comprar os produtos que faltam.

Apesar de a maioria dos consumidores (62,7%) considerar os preços dos produtos orgânicos mais elevados em relação aos convencionais, o consumo continua crescendo. É interessante observar que, quando se faz uma comparação de preços entre consumidores de feiras convencionais e orgânicas, não existe diferença de percepção entre os preços. Já nas redes de supermercados, onde as margens de preços são extremamente altas e os produtos orgânicos necessitam ser embalados para serem diferenciados dos convencionais, os consumidores costumam reclamar dos altos preços dos produtos orgânicos.

A IMPORTÂNCIA DA CONSCIENTIZAÇÃO DO CONSUMIDOR

Nos últimos anos, com a polêmica dos alimentos transgênicos e o mal da "vaca louca", os temas relacionados com a questão agroambiental têm obtido um maior espaço na mídia. Apesar de crescente, este espaço ainda é insuficiente para sensibilizar o consumidor sobre os problemas relacionados aos agrotóxicos e sobre os benefícios da alimentação orgânica. Apesar de os dados mostrarem que esta é uma questão de alto risco para a saúde pública, o assunto acaba não sendo objeto de preocupação popular pela falta de informação do consumidor.

Temos, portanto, uma dificuldade no que se refere à sensibilização do consumidor. Se, por um lado, existe interesse do consumidor em pagar mais (cerca de 20 a 30%) para preservar o meio ambiente, por outro lado a divulgação depende muito da grande mídia (televisão, sobretudo) que ainda não discute o assunto de forma mais ampla e continuada. Desta forma, a preocupação dos consumidores só será despertada e seus hábitos modificados, se houver um trabalho mais eficiente de divulgação.

Se nos países desenvolvidos o consumidor já é o principal elemento articulador de mudanças, no Brasil este trabalho está apenas começando. O desafio é conscientizar o consumidor sobre o problema da agricultura convencional para a saúde e meio ambiente. Além disso, é preciso mostrar que sua capacidade transformadora tem reflexos em todos os outros segmentos da economia. Por isso, o importante é que a própria sociedade tome a iniciativa de se organizar.

Em Curitiba, um grupo de consumidores da feira de alimentos orgânicos, iniciou um trabalho visando estreitar as relações entre os produtores orgânicos e os consumidores. Há cerca de um ano que este grupo de consumidores vem desenvolvendo atividades na região metropolitana de Curitiba (RMC). Uma iniciativa que tem mostrado bons resultados é a visita dos consumidores as propriedades orgânicas. Foram realizadas visitas a 8 propriedades para verificar as dificuldades dos agricultores in loco e tirar dúvidas dos consumidores em relação à forma de produção e certificação. O trabalho também tem servido como uma forma de educação ambiental, promoção do turismo rural e valorização da produção local de alimentos.

Nestes passeios, realizados aos domingos o consumidor tem a oportunidade de colher a verdura diretamente, num sistema tipo "colha-e-pague". O almoço é realizado na propriedade por um grupo de agricultores do município, funcionando como forma de confraternização entre agricultores e consumidores. Paralelamente, um Boletim Informativo está sendo elaborado para informar e orientar o consumidor sobre a produção orgânica, além de denunciar os riscos dos agrotóxicos para saúde e dicas para uma alimentação mais saudável.

Este processo de organização culminou com a fundação, em 15 de julho de 2000, da Associação dos Consumidores de Produtos Orgânicos do Paraná – ACOPA que tem como objetivo estimular e promover a aproximação entre agricultor e consumidor, elevar os padrões de qualidade alimentar, além de divulgar a importância da produção orgânica e proporcionar uma maior conscientização do consumidor. Neste sentido, a iniciativa busca a participação do consumidor no Conselho Estadual de Agricultura Orgânica do Paraná e no Colegiado da Associação de Agricultura Orgânica do Paraná (AOPA).

Esta aproximação já aponta para alguns resultados positivos. Primeiro, observamos que o consumidor tem um grande interesse em conhecer de onde vêm os produtos que está levando à mesa. Em segundo lugar, as visitas às propriedades têm servido para ampliar a conscientização do consumidor e aumentar a valorização do produto orgânico. Assim, a falta de regularidade de um produto como o tomate, por exemplo, é melhor compreendida pelo consumidor, que não vê restrições em adquirir um outro legume "da época". Além disso, trata-se de uma forma de valorizar a produção local e regional.

Outra dinâmica desencadeada a partir deste trabalho é a obtenção de um crédito alternativo para o agricultor, longe do "circuito bancário". Alguns agricultores orgânicos já estão sendo financiados pelos próprios consumidores, que adiantam uma quantia em dinheiro ao agricultor, recebendo posteriormente em produtos com um desconto especial. A ACOPA também tem mantido uma relação estreita com a AOPA no projeto "sacolas", visando criar uma rede de distribuição de sacolas com produtos orgânicos. O objetivo é criar alternativas às redes de supermercados que diminuam o custo final do alimento orgânico ao consumidor.

Do lado do agricultor, existe uma série de vantagens em manter contato direto com o consumidor. Como relata um dos agricultores de um grupo visitado, "...para nós quando o consumidor vem até a propriedade, o trabalho é menor, é mais confortável, o custo final é menor e o preço também é menor. .A gente se sente valorizado".

No Brasil, ainda não é possível ter uma idéia clara do número de consumidores que alimenta o mercado de produtos orgânicos. Além disso, existem os consumidores das redes de supermercados e outros pontos de venda, que precisam ser melhor estudados.


O PERFIL DO CONSUMIDOR ORGÂNICO

O conhecimento do perfil dos consumidores é importante pois permite orientar o trabalho de produção, direcionar o processo de marketing e comercialização, além de dar uma idéia da importância desse segmento de consumo no mercado regional.

Grosso modo, podemos dizer que existem basicamente dois tipos de consumidores orgânicos. O primeiro tipo são aqueles consumidores mais antigos, que estão motivados, bem informados e são exigentes em termos de qualidade biológica do produto. Estes consumidores são os freqüentadores das feiras verdes de produtos orgânicos. Um segundo tipo, mais recente, ainda pouco estudado, é o consumidor das grandes redes de supermercados. O perfil que iremos apresentar, em função da disponibilidade de dados, corresponde ao primeiro tipo.

Os resultados apontam que o consumidor orgânico é normalmente um profissional liberal, na maioria (66%) do sexo feminino, com idade variando entre 31 e 50 anos em 62 % dos casos. Apresentam nível de instrução elevada tendo em sua maioria cursado o ensino superior (Figura 1). Ademais, a pesquisa indica que são pessoas que têm o hábito de praticar esportes (54,9%) com freqüência e, mesmo morando na cidade, procuram um estilo de vida que privilegie o contato com a natureza, o que faz com que 62,9% freqüentem parques e bosques regularmente.

FIGURA 1 - NÍVEL PERCENTUAL MÉDIO DE ESCOLARIDADE DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS ORGÂNICOS DA FEIRA VERDE DE CURITIBA

 

 

FONTE: RUCHINSKI & BRANDENBURG (1999)

 

Com base nos dados, é possível afirmar que a procura por alimentos "limpos" está associada à escolaridade, visto que existe um grande interesse desse consumidor pela questão ambiental. Além disso, a pesquisa mostrou que esses consumidores têm maiores informações e dizem conhecer os males dos agrotóxicos.

Analisando a renda familiar mensal, observamos que existe uma tendência similar ao que acontece com o nível de instrução escolar. Enquanto a maior parte dos consumidores das feiras convencionais têm renda até 10 salários mínimos, cerca de 68% dos consumidores da feira orgânica têm renda acima deste patamar (Figura 2).

Em última análise, os dados refletem que o público das feiras orgânicas, tanto em termos de escolaridade quanto de renda, faz parte de um grupo de consumidores mais intelectualizados e de uma classe economicamente mais elevada.

Além do perfil socioeconômico observado, foi possível confirmar que o consumidor orgânico é fiel e constante. A grande maioria se diz adepto da alimentação orgânica, sendo que 58,8% dos consumidores freqüentam semanalmente a feira verde. Esses resultados mostram que a feira verde de produtos orgânicos tem tido êxito em cativar o público e, portanto, configura-se como um espaço privilegiado de educação e articulação dos consumidores.

 

FIGURA 2 - NÍVEL PERCENTUAL MÉDIO PARA A RENDA INDIVIDUAL DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS ORGÂNICOS DA FEIRA VERDE DE CURITIBA

 

FONTE: RUCHINSKI & BRANDENBURG (1999)

Para finalizar, é importante destacar que o desafio de levar o alimento orgânico para as outras camadas da população, não está relacionado apenas aos aspectos técnicos (produção em quantidade, qualidade, regularidade e diversidade) e econômicos (preços competitivos aos produtos convencionais), mas também aos aspectos políticos e sociais.

 

Fonte: http://www.planetaorganico.com.br

Acessado em 29/10/2011

 


Real Time Analytics Traffic web 888.com Betsson Casino bonuses William hill bingo Web Analytics